Você sabe o rumo que a sua vida profissional está tomando?

Você tem o controle do que está acontecendo na sua vida?

Essas questões podem ser muito aterrorizantes para muitas pessoas. Incontáveis empreendedores ouvem estas perguntas e já sentem um certo frio na barriga e um sentimento sufocante que os paralisa. E esse sentimento é muito comum, talvez você já tenha sentido muitas vezes, assim como eu já senti.

Mas não me leve a mal… Quero dizer que a insegurança é um sentimento comum, pois vemos muitas pessoas que sofrem com isso. Mas não é um sentimento natural, ao menos não quando ele bloqueia todo o seu curso de ação.

Eu quero hoje bater um papo com você sobre esse que é um dos principais inimigos do bom empreendedor, a insegurança.

Insegurança e riscos: como lidar?

Todo líder enfrenta riscos, disso não há dúvida. Por mais que seja um especialista, uma pessoa que está atuando na sua zona de conforto, mesmo que seja em um nicho de mercado muito bem estável, nós sempre vamos nos deparar com os riscos.

E não falo somente dos grandes líderes empresariais não. Esse fardo da liderança é carregado por cada chefe de setor, cada gerente, cada pai e mãe, cada CEO. Esses riscos que atacam os líderes aparecem em qualquer área das nossas vidas, porque sempre existe algo de imprevisível em todas essas áreas.

Lara, significa então que essa imprevisibilidade é a origem da insegurança? Significa que basta eu dominar melhor meu ambiente e minha atividade para que não me sinta mais inseguro?

E a resposta é… Não exatamente.

Prudência vs. Insegurança

O fato é que conhecer nossa atividade com maestria ou dominar bem o ambiente é algo externo. Qualquer consultor pode averiguar o estado de uma empresa e identificar os riscos, certo?

Mas a insegurança enquanto sentimento pessoal não é algo que cabe em uma análise SWOT. Estamos falando de algo interno, algo que vem de dentro de cada um. Muitas vezes, não basta ter todas as informações possíveis para deixar de se sentir inseguro.

Por isso, precisamos traçar uma linha que separe a insegurança da prudência.

A prudência é sempre um estado ativo de desconfiança. Ou seja, ela te leva a agir, a fazer algo para diminuir os riscos. É como aquela pessoa que, querendo realizar o sonho de pular de paraquedas, vai fazer de tudo para aprender um pouco mais e minimizar os riscos. Ela vai conversar com os instrutores, procurar vídeos na internet e, claro, não vai deixar de checar a própria mochila antes do salto.

A insegurança é diferente. Ela partilha um pouco do mesmo sentimento de autopreservação da prudência, mas ela é tóxica. Ela paralisa. Um paraquedista inseguro é alguém que nunca sairá da terra firme, por medo dos riscos de pular.

Prudência e insegurança sempre andarão juntas e pode ter certeza que nem sempre vamos saber separar uma da outra. O jeito é tentar, de uma forma bem gradual, favorecer sempre a prudência e deixar a insegurança de lado.

A realidade é um veneno para a insegurança

Sempre quando converso com amigos ou clientes que estão inseguros, a minha primeira reação é tentar fazer com que eles enxerguem alguns fatos, alguma coisa verdadeira e na qual eles possam se ancorar.

Se você parar para pensar um minuto, é exatamente isso que você também faz quando vai dar conselhos a alguém que esteja numa situação de insegurança. Mostrar os fatos e analisar oportunidades.

E a partir dos fatos incontestáveis que a nossa razão nos obriga a abandonar nossos medos. São esses pontos da realidade que nos levam a refletir melhor sobre as decisões a tomar e, então, agir de forma prudente.

Se você, que está aqui lendo esse meu blog hoje, sente que a insegurança sempre vence a prudência, fique calmo! Existe uma forma bem interessante de fortalecer a sua prudência.

A Bancada de Titãs

É muito mais fácil ajudar outras pessoas a superarem as suas inseguranças. Como então podemos superar as nossas próprias?

Bom, a técnica é bem simples: precisamos eleger uma Bancada de Titãs. Nas situações em que estamos inseguros, precisamos nos colocar na presença de pessoas que admiramos, pessoas que nos fazem entrar naquele estado de ação que é necessário para a prudência.

Os nossos Titãs não devem ser apenas pessoas ilustres ou grandes profissionais do nosso setor. Devem ser pessoas que se comuniquem diretamente com nossa essência. Pessoas que nós conhecemos bem e que sabemos que desejam a nossa realização. Em cada grande decisão, devemos nos colocar na presença dessa nossa Bancada de Titãs. O que será que os seus mentores fariam no seu lugar? O que as pessoas que você mais ama diriam diante das suas ações?

Um pouco da minha experiência com a Bancada

Dias atrás, estava atolada em trabalho, com aquele sentimento tão conhecido: “eu não vou dar conta”.

Apesar de estar tão ocupada, decidi dedicar um tempo para meditar. Já falei um pouquinho aqui no blog sobre a meditação como uma ferramenta para ter clareza profissional, e era exatamente disso que eu precisava naquele momento.

Durante essa meditação, que chamei a minha Bancada e conversei com um dos meus Titãs: Carlos Wizard.

Meu primeiro contato com o Wizard foi em um programa de imersão para empresários, o Legado Milionário, foi onde aconteceu meu terceiro ponto de virada (um dia te conto sobre os outros dois). Pois, foi a partir do Legado que decidi vender a minha emissora de rádio e abrir o meu terceiro negócio do zero. É graças a ele que converso com você hoje!

Ali, durante aquele momento de meditação, conversei com o Wizard sobre qual caminho deveria seguir.

Pode parecer algo muito bobo e quase que esotérico, mas é uma ferramenta muito poderosa. Naquele momento de conversa e silencio externo é que encontrei as respostas que eu precisava.

Veja bem, não se trata apenas de tentar imitar as decisões que outra pessoa faria no seu lugar. É uma forma de estabelecer quais são as pessoas que podem te indicar as decisões tomar.

Quando interiorizamos esse sentimento de que nem todos à nossa volta são os nossos juízes, o receio de fracassar diminui muito. A insegurança deixa de ter um grande poder porque já não sentimos aquela mesma pressão em busca dos resultados.

Os únicos a nos pressionar são os membros da nossa Bancada de Titãs e, por eles sim, vale correr qualquer risco.

Esse é um breve exercício bem prático, mas muito potente, que pode ajudar a mudar a forma como nós enxergamos a vida e, principalmente, a vive-la sem perder de vista aqueles que nos são caros.

Se você ainda não elegeu sua Bancada de Titãs, faça essa pergunta a si mesmo ainda hoje: a quem darei ouvidos? A quem eu confiarei a direção do caminho que trilharei?

Como ir além da Bancada de Titãs

Não importa o tipo de atividade que você realiza, não importa o mercado no qual você está inserido: ouvir constantemente aos seus mentores e aos seus amores através da Bancada de Titãs é algo poderosíssimo e recomendo a TODOS.

Mas se você quer ir além, eu convido você (e os seus Titãs, é claro) a construir uma grande reviravolta no seu negócio através do meu curso, o Ponto da Virada. Fiz este curso com carinho para você, que quer aumentar a lucratividade e o impacto do seu negócio no mercado.

Nesse curso, vou te mostrar o passo a passo onde você vende mais, lucra mais e cresce mais.

Vamos trabalhar fortemente:
1. No seu posicionamento
2. Na sua estratégia de Marketing
3. Na jornada de compra do seu cliente 4. No planejamento do que fazer e como fazer

Chegou o momento de você implementar e faturar!

Chegou o momento de você ter um negócio realmente lucrativo e alinhado aos seus valores. Basta clicar AQUI.

Quando você souber usar cada um destes pilares vai ter mais clientes, aumentar o seu lucro e construir a sua segurança. Clica AQUI.

Deixe seu comentário


INSCREVA-SE

Receba insights na sua caixa de e-mail e dar vida ao seu negócio.

Essência de Valor © Todos os Direitos Reservados - 2017

Top